PT
ENG
Carlos BOTELHO
Carlos BOTELHO

Lisboa, 18 de Setembro de 1899 – 18 de Agosto de 1982

Carlos Botelho, de seu nome completo Carlos António Teixeira Bastos Nunes Botelho, é um artista plástico com um percurso profissional distribuído por múltiplas actividades. Se no início se dedicou às artes gráficas, destacando-se como caricaturista e ilustrador, foi também cedo que se iniciou nas feiras internacionais, optando definitivamente pela pintura apenas na fase adulta. Nunca fez, porém, carreira musical apesar da formação em violino.

Foi na escola que frequentou, o Liceu Pedro Nunes em Lisboa, onde Carlos Botelho, fez a sua primeira exposição em 1918. Da Escola de Belas-Artes de Lisboa fica apenas uma curta passagem em 1919.

Entre 1926 e 1929 Botelho contribui para o semanário infantil ABCzinho com páginas de banda desenhada, e em 1928 inicia a página Ecos da Semana, uma crónica humorística no semanário Sempre Fixe, colaboração que manteve durante mais de 22 anos. 

Em 1929 parte para Paris, onde tal como Vieira e Arpad frequenta a Academia Grande Chaumière, cidade a que regressa em 1931 para participar como decorador na Exposição Internacional e Colonial de Vincennes e novamente em 1937 integrando a equipa de decoradores do Pavilhão de Portugal durante a Exposição Internacional de Artes e Técnica. Os anos 30 são, aliás, marcados por várias permanências no estrangeiro e na participação portuguesa em grandes mostras internacionais.

É também na década que 30 Botelho recebe o Prémio Amadeo de Souza-Cardoso (1938) e o primeiro Prémio de Pintura na Exposição Internacional de Arte Contemporânea em São Francisco (1939), prémio que coincidiu com a sua longa estadia nos Estados Unidos da América a propósito da decoração dos pavilhões portugueses para as Exposições Internacionais de Nova Iorque e de São Francisco.

Em 1940, Botelho integrou uma das equipas de decoradores da Exposição do Mundo Português, em Lisboa, ano em que recebe também o Prémio Columbano. Em 1957 é incumbido dos estudos para a decoração do percurso da Rainha de Inglaterra por Lisboa.

Carlos Botelho é, por excelência, o pintor de Lisboa e foi a localização do seu primeiro atelier, em 1930, na Costa do Castelo, que ditaria a influência da cidade sobre a sua obra artística. Apesar de aqui continuar até 1949, em 1939 Botelho inaugura o seu novo atelier na Parede, activo até 1955, para depois se transferir para o Areeiro. Nova mudança ocorre em 1958, quando Botelho aceita a oferta de Vieira da Silva para trabalhar no seu atelier das Amoreiras.

Botelho esteve representado em inúmeras exposições em Portugal e no estrangeiro, sendo a primeira a do I Salão dos Independentes, em 1930 (participou também no II Salão em 1931). Em 1932 tem lugar a sua primeira exposição individual, no Salão Bobone, em Lisboa, e em 1947, em Paris, a sua primeira exposição individual no estrangeiro. Do imenso leque de exposições, saliente-se a grande exposição retrospectiva organizada pelo Palácio Galveias em 1959 e a Exposição comemorativa dos seus 50 anos de pintura, na Reitoria do Liceu Pedro Nunes em 1986.

Carlos Botelho foi condecorado e homenageado inúmeras vezes ao longo da vida e carreira, nomeadamente, e enumerando apenas alguns exemplos: Cavaleiro da Ordem de Santiago (1939); Cavaleiro (1941), Comendador (1968) e Grande Oficial (1980) da Ordem Militar de Sant’Iago de Espada; Correspondente Cultural da Academia Brasileira de Belas Artes (1965); Sócio Honorário da Sociedade Nacional de Belas-Artes (1977); “Medalha de Ouro” da cidade de Lisboa (1980). Conte-se ainda com a medalha de prata recebida em 1958 na Exposição Internacional de Bruxelas e com o primeiro Prémio de Pintura na II Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian (1961).
VOLTAR
© Copyright FASVS 2010 | Design by MOZO